07/08/2008

Saber Sofrer


Quando o vi, não quis acreditar. Ele ia muito contente, todo sorriso, caminhando pela avenida à beira-mar, fazendo o seu cooper.

Mas, o que tem isso demais? É que ele tinha olhos para ver, cabeça para pensar, coração para pulsar, pernas para andar, mas tinha os braços e mãos atrofiados. Assim mesmo, caminhava alegre, como se tivesse aqueles membros perfeitos... E cumprimentava as pessoas com o sorriso e a fala. E teve momento em que ele parou um pouco para contemplar o mar.

Pus-me a refletir. O que é que um homem sem braços pode fazer sozinho? Quase nada. Como se alimentar? Como tomar banho? Como escrever? Como acariciar? Ah, leitor, ter os membros superiores atrofiados deve ser muito doloroso. Faça uma experiência: imagine-se sem eles... Numa época de tecnologia tão sofisticada como a nossa, o dedo é tudo; com ele fazemos o eletrodoméstico funcionar; com ele discamos; com ele digitamos; com ele pressionamos uma campainha...

Tudo isso eu ia pensando, enquanto o homem andava à minha frente. Muito moço, deveria ter uns 30 anos. Qual seria a sua religião? Protestante? Católica? Espírita? Por que tanta conformação diante do sofrimento? Por que não ficou em casa, amargando a sua sorte? Por que não se revoltava? Por que? Por que?...

Como esse homem me ensinava com a didática de seu sofrimento... Aí, monologuei: o importante não é sofrer. O importante é saber sofrer... Enquanto ele sorria para a manhã de sol, quanta gente se lamentando, se queixando, se revoltando, maldizendo e - o que é pior - tirando a própria vida... Quanta gente culpando Deus pelo seu sofrimento.

Mas ele tinha os olhos para contemplar as belezas da natureza, tinha a boca para falar e sorrir, tinha a cabeça para pensar, tinha as pernas para caminhar, tinha um coração para sentir e amar, um pulmão para respirar o ar puro da praia... E, de certo, tinha uma religião saudável, uma religião sem medos e sem mistérios.

Agora, o homem conversava com um grupo de amigos, contente e feliz. Depois continuou movimentando as pernas, sempre atento, sempre alegre. Meu medo era que ele tropeçasse e caísse... Que pensamento pessimista...

Mais adiante, lá estava ele em direção contrária à minha. Estaria indo para casa ou ia se encontrar com alguém da família a fim de levá-lo de carro? Não sei, leitor. Só sei que me senti muito inferior a esse rapaz.
E fiz o propósito de nunca mais lamentar tudo que acontece na vida ...

Foto Ilustrativa:

Kevin Connolly, fotógrafo americano que não tem pernas. Viajou 15
países em cima de seu skate para registrar os olhares curiosos das
pessoas sobre sua condição física.

Mais sobre Kevin, veja nesse link.

Texto extraído do blog >> http://licoesdeviver.blogspot.com/2008/06/saber-sofrer.html
Créditos Carlos Romero



3 comentários:

cândido gomes disse...

saio hoje pro meu dia, com olhos mudados. muito bom o texto. escolha inspirada! abraço, ingrid.

Carlos Romero disse...

Olá, Ingrid.

É uma honra ter uma crônica tratada com esse carinho. É como se fosse um filho entregue aos cuidados de alguém, com a certeza de que ele está sendo muito bem tratado.

Muito comovente a história desse rapaz cuja foto ilustra o texto. Ele nasceu sem pernas e, com fotógrafo, percorreu o mundo registrado com sua máquina as expressões de espanto das pessoas em relação à sua condição física. Vale a pena acessar a página dele na internet.

Obrigado pela citação. Nos vemos na blogosfera...

Ingrid Oliveira ! disse...

Querido cândido, é sempre um carinho recebe-lo por aqui !

Carlos, tuas mensagens tem sido inspiradoras pra mim, obrigada por deixar compartilhar.

Bjinhus